Zlatibor e Mokra Gora – riquezas do oeste da Sérvia

1165

Pense Belgrado. Pense na maior cidade da Sérvia: uma cidade movimentada, reconhecida mundialmente por sua badalada vida noturna. Agora pense Zlatibor. Pense em uma montanha situada a 1.000 metros de altitude, onde em plena sexta-feira à noite você tem a chance de passear à beira de um lago no centro da cidade enquanto admira a lua e as estrelas e respira um ar puro que tem propriedades medicinais. Pensou? De uma forma ou de outra, a imagem abaixo com certeza irá ajudá-lo a captar as vibrações deste lugar fantástico.

Lago no centro de Zlatibor
Em minha primeira viagem patrocinada pela Organização Nacional de Turismo da Sérvia, pude descobrir que Zlatibor é um verdadeiro tesouro. Não poderia ser diferente, uma vez que a montanha recebeu seus primeiros turistas já em 1750 e a atividade turística começou a ser desenvolvida de forma organizada após a visita do rei Aleksandar Obrenović no dia 19 de agosto de 1893 (Dia da Transfiguração de Jesus). Desde aquela época, o fato das pessoas conseguirem se curar de doenças tanto psicológicas quanto físicas, em especial de doenças na glândula tireoide, atrai visitantes. Especialistas, ao pesquisarem o porquê desta propriedade curativa, constataram que as responsáveis são as características geográficas de Zlatibor, como o clima, a altitude e a disposição dos rios e morros. Resumindo: não tem como não se sentir bem lá! Hoje, Zlatibor tem um hospital moderno e inovador, que é referência no tratamento de doenças do tipo citado acima e ainda organiza um programa nutricional e de exercícios ao ar livre para pessoas com problemas de peso (programa Čigota).
A viagem partindo de Belgrado de ônibus demora 4 horas. São 230 km percorridos por belas estradas no oeste da Sérvia, que vão ficando cada vez mais cercadas de montanhas à medida que vão se aproximando da fronteira com a Bósnia. Ao chegar em Zlatibor, fui recebido pelo Vladimir, funcionário da Organização de Turismo de Zlatibor que me ajudou a conhecer as belezas do lugar e que virou um amigo no final da viagem.
Hotel Zlatibor Mona
No primeiro dia, fizemos um passeio pelo charmoso centro da cidade, cheio de lojinhas e cafés, ao lado de um lago lindo, que é como um espelho refletindo a imagem das árvores que o cercam. É uma paisagem muito inspiradora e acolhedora. Aproveitam-se disso os hotéis da cidade, que fazem com que os visitantes se sintam num verdadeiro paraíso em seus maravilhosos spas. Visitei dois hotéis no centro: o tradicional e requintado Hotel Zlatibor Mona e o novo e moderno Hotel Idila – ambos altamente recomendados! Além dos hotéis, Zlatibor oferece ainda diversas pousadas, apartamentos privados em vilas encantadoras, casas para alugar em pequenos vilarejos com maior contato com a natureza… Ao todo, são 15.000 leitos.
Komplet lepinja
Meu segundo dia começou da maneira perfeita: com komplet lepinja no café da manhã. Uma coisa é certa: uma pessoa simplesmente não pode ir à Zlatibor e não provar komplet lepinja (eles também chamam de zlatiborska lepinja), que é o pão (lepinja) com ovo e kajmak – uma delícia! Aliás, a gastronomia é uma vantagem em qualquer lugar na Sérvia, sendo que Zlatibor é conhecido por produzir os melhores presuntos do país. E um detalhe importante é que você come muito bem sem pagar muito. Um jantar completo com entrada, prato principal e uma bebida me saiu a cerca de 850 dinares (19 reais) num restaurante tradicional no centro da cidade chamadoJezero. Só não pedi sobremesa porque a quantidade de comida já me satisfez totalmente – outra vantagem da Sérvia!

Stopića Pećina

Ao finalizar minha komplet lepinja eu e Vladimir pegamos o carro e fomos até a caverna Stopića, um dos mais impressionantes monumentos naturais da Sérvia, a 19 km a nordeste de Zlatibor. Ao passar por sua entrada, que tem 35 m de largura e 18 m de altura, você acompanha o rio até chegar numa cachoeira de 9 m de altura conhecida como “A Fonte da Vida”, que fica no interior da caverna. Contudo, o verdadeiro cartão postal da caverna Stopića são as banheiras naturais de tufo calcário – um monumento natural formado pela acumulação da água que se desviou do curso normal do rio e que, ao longo de milhões de anos, foi cavando diversos buracos na pedra, tendo o mais profundo 8 metros de profundidade. O resultado deste processo é a bela cascata que vemos lá dentro.

Após mais um pequeno trecho de estrada, chegamos ao vilarejo Sirogojno, onde se localiza o incrível museu à céu aberto “Malo Selo” (Pequeno Vilarejo), que é uma vila étnica que exibe construções e objetos originais que nos permitem ver de fato como era a vida na montanha Zlatibor no século XIX. Vladimir me mostrou tudo com muito orgulho e ressaltou a importância daquela vila para a preservação da cultura sérvia. Trata-se de um Monumento Cultural de Excepcional Importância do país. Eu, pessoalmente, gosto muito de viajar pelos vilarejos sérvios, porque acredito que a verdadeira alma sérvia está neles… Fiquei completamente impressionado com Sirogojno! Poder entrar nas casas, ver onde realmente viviam… Não tem preço. O mais legal é que, nessa vila, eles renovaram o interior de algumas casas e as transformaram em chalés que recebem hóspedes regularmente. Lá há também um restaurante étnico, onde eu tive outra experiência bem típica sérvia: tentar comer a quantidade imensa de comida (deliciosa) que me serviram!
Vila étnica em Sirogojno

Para completar a volta, fomos até o vilarejo Gostilje, onde vi sua bela cachoeira caindo de uma altura de 20 m, e depois até Ljubiš, vilarejo onde experimentei a hospitalidade do povo rural tomando uma rakija artesanal no restaurante étnico da pousada que eles administram (chamada “Boškova Voda“). O grande barato de ficar hospedado em um vilarejo é, além do contato com a natureza, o contato com os sérvios que moram lá: pessoas simples, trabalhadoras e simpaticíssimas, que nunca vão deixar faltar uma boa comida, uma boa conversa e uma boa rakija doméstica!

Restaurante étnico em Gostilje

A vida noturna em Zlatibor é bem tranquila: tem uma boate, uma ou duas kafanas, alguns cafés…Vladimir me falou que os moradores locais não saem muito à noite durante o inverno, porque como a cidade é pequena e todo mundo se conhece, não é tão interessante. Por isso, as pessoas preferem esperar o verão, quando a cidade está lotada de turistas e a festa é certa! Aliás, o inverno traz uma desvantagem aos turistas: devido à baixa demanda, a organização de turismo não organiza os passeios que normalmente organiza aos atrativos turísticos da região, então o único jeito de visitá-los é de carro.

Quando você for a Zlatibor, reserve um dia para dar uma esticada até outra montanha da região que vale muito a pena visitar: Mokra Gora. O nome traduzido em português é “Morro Molhado” e surgiu quando, há muito tempo atrás, soldados que iriam dormir na montanha tentaram acender uma fogueira, mas tiveram dificuldades devido à elevada umidade do ar no local. Situado bem próximo à fronteira com a Bósnia, a 30 minutos de carro saindo do centro de Zlatibor, Mokra Gora chama atenção por suas belezas naturais e por dois atrativos turísticos especiais: a estrada de ferro Oito de Šargan e a cidade temática Drvengrad.

Uma das estações da Oito de Šargan

Oito de Šargan (Šarganska Osmica) é um trecho da antiga estrada de ferro que ligava Užice a Višegrad, na República Srpska (parte da Bósnia). Inaugurada em 1925, a estrada de ferro era usada diariamente por centenas de trabalhadores. Ela foi então fechada em 1974 e o trecho que está em funcionamento hoje foi reaberto em 2003 apenas para uso turístico. O nome “Oito de Šargan” surgiu pelo trajeto na forma do número 8 pelo qual o trem contorna a montanha Šargan. Os trilhos de apenas 760 mm de largura e o caminho sinuoso, cheio de curvas, subidas elevadas, túneis e pontes em meio às montanhas de Mokra Gora fazem da Oito de Šargan uma ferrovia única na Europa e é muito visitada na primavera e no verão. Infelizmente, não funciona durante o inverno.

Casa do Emir Kusturica em Drvengrad

Já Drvengrad (“cidade de madeira”) é uma cidade temática que foi construída pelo famoso diretor cinematográfico sérvio Emir Kusturica com um projeto arquitetônico baseado nas casas tradicionais dos antigos habitantes da região. Ele teve a ideia de construi-la durante a gravação de seu filme “A vida é um milagre” em uma das estações da estrada de ferro “Oito de Šargan”. De lá, ele olhava constantemente para este lado de Mokra Gora e acabou fascinado pela beleza natural da montanha! Primeiro, construiu sua casa particular e, mais tarde, ao perceber o potencial do empreendimento, criou uma cidade inteira com cinemas, cafés, um complexo esportivo, apartamentos para aluguel e tudo o que uma pessoa precisa para de fato morar lá ou passar uma temporada. Além de tudo, o lugar tem uma bela vista para as montanhas! Drvengrad rendeu a Emir Kusturica o prêmio de arquitetura Philippe Rotthier em 2005.

Estação de esqui Tornik

Quando se trata de esportes, Zlatibor, com suas paisagens deslumbrantes, é destino certo de praticantes de montanhismo, ciclistas, grupos de caminhada, cavaleiros e praticantes de esportes de inverno. Em pleno começo de março, não pude deixar de visitar a estação de esqui Tornik – o maior pico de Zlatibor, a 1496 metros de altitude. Ao todo são 5 km de pistas de esqui e a estação tem capacidade para 3.000 esquiadores por hora. Como um bom brasileiro que nunca tinha ido a uma estação de esqui antes, fiquei fascinado com tudo! Para mim, só o passeio de teleférico até o alto da montanha já valeu a pena. O céu estava azulzinho, o sol brilhando e a vista lá de cima foi de tirar o fôlego! Para vocês terem uma ideia, lá de cima dá pra ver ao longe a Bósnia e até Montenegro! De fato, muitas pessoas vão lá apenas para curtir o visual e tomar um chocolate quente no café/restaurante super legal que fica no topo. Mas é claro que eu não me contentei com isso e não me acalmei enquanto não esquiei pela primeira vez na vida! Foi uma experiência incrível! Me senti o próprio Pierce Brosnan em “O amanhã nunca morre”! Obviamente, eu fui na pista para principiantes e não na chamada Pista Negra, a mais extrema da montanha, que vocês podem ver na foto ao lado. E o melhor de tudo é que esquiar na Sérvia significa esquiar em estações de padrão internacional a preços muito mais baixos que em qualquer outro lugar na Europa. Em Tornik, o ski pass de um dia custa menos de 35 reais.

Esquiando em Tornik

Viajar pela Sérvia significa conhecer verdadeiras jóias escondidas do resto do mundo, protegida das pessoas que só querem saber de visitar lugares onde todos os outros vão. É o que eu sempre digo: a Sérvia é para poucos e bons! Quanto mais eu viajo por aqui mais me apaixono! A hospitalidade e o carinho sincero das pessoas, a riquíssima cultura, um território lotado de belezas naturais – é isso que te espera na Sérvia.  Zlatibor e Mokra Gora são grandes exemplos disso. Portanto, se você planeja vir à Sérvia, não visite apenas Belgrado. Adicione alguns destinos fora da capital – você com certeza vai se surpreender com a diversidade deste país!

Para mais informações, comente! Para ver todas as fotos incríveis que eu tirei em Zlatibor e Mokra Gora, acesse o álbum na página oficial do blog, clicando no link: http://tinyurl.com/album-zlatibor

Próxima parada: Kopaonik! Fiquem ligados! Curtam a página do Bem-vindo à Sérvia no facebook para receberem notificações em primeira mão e sempre ficarem por dentro de tudo:http://www.facebook.com/bemvindoaservia

Pozdrav!

Postado por Thiago Ferreira
(bemvindoaservia)


NO COMMENTS

LEAVE A REPLY